Obstetrícia

Gravidez - As fases no ciclo gestacional

Durante as fases do ciclo gestacional, a futura mãe pode apresentar todas ou somente algumas das características descritas a seguir. Também apresentamos alguns aspectos do desenvolvimento do bebê.

[EXPAND Os Ciclos Gestacionais trimestre a trimestre]

1º ao 3º mês

Os primeiros meses geralmente são marcados por sensações de sonolência, cansaço, náuseas, vontade de urinar, desejo e repulsa por certos alimentos. Os seios incham e a futura mãe pode ter alguns sintomas parecidos aos da tensão pré-menstrual. Próximo ao final do terceiro mês, o bebê mede entre 6,25 e 7,5 cm e pesa entre 14 e 18 gramas. Nesta fase, a cabeça já está bem delineada e as pálpebras começam a se formar.

Do 4º ao 6º mês

A vontade de urinar começa a diminuir e pode ocorrer prisão de ventre. A partir do 4º mês, as estruturas principais dos órgãos do bebê completam a sua formação. Os rins iniciam a produção da urina e o bebê faz xixi pela primeira vez. Nessa fase aparecem os primeiros fios de cabelo e, por volta do 5º mês, finalmente, é possível saber o sexo dele. No 6º mês, o bebê já reage a estímulos, pois estão em desenvolvimento a audição, olfato, tato e paladar. A gestante poderá sentir os pontapés.

Do 7º ao 9º mês

A mãe sente cada vez mais o bebê, vive imaginando como será o parto e tem sonhos com seu bebê. Dentro da barriga, ele já abre e fecha os olhos, percebendo a luz. Nesta fase, a gestante pode sentir dificuldades para respirar e falta de ar. No 9º mês, o bebê se movimenta menos, está mais gordinho e pronto para nascer.[/EXPAND] [EXPAND Trabalho de Parto Prematuro]O nascimento prematuro, aquele que ocorre entre 34 e 36 semanas de gestação1 é um problema de saúde mundial sub- reconhecido e subfinanciado.2

A prevalência global de nascimento prematuro é de 9,6%.1 A incidência de trabalho de parto e nascimento prematuro tem aumentado no mundo.4 Esta tendência tem sido observada também no Brasil, cuja prevalência foi de 11,8% no ano de 2012.3

Em 2009, o nascimento prematuro foi a maior causa de mortalidade e morbidade neonatal, apesar das grandes melhorias no cuidado neonatal nos países desenvolvidos.5,6 A intervenção ante natal pode retardar o parto por um tempo suficiente para reduzir as sequelas relacionadas à prematuridade, por facilitar a maturação, desenvolvendo órgãos e sistemas.5

Os agentes tocolíticos diferem no custo, útero-especificidade, segurança, eficácia e se são licenciados para uso.7

Os três principais agentes utilizados em todo mundo são β-agonistas, bloqueadores do canal de cálcio e antagonistas do receptor da vasopressina ocitocina.[/EXPAND]

[EXPAND Referências Bibliográficas] 

  1. March of Dimes. The global toll on preterm birth 2013. Online em: http://www.marchofdimes.com/mission/march-of-dimes-white-paper-on-preterm-birth.aspx. Acessado em 23 dezembro de 2013
  2. Editorial. The global burden of preterm birth. The Lancet. 374; Oct.10,2009.
  3. ONU Brasil. Prematuridade e suas possíveis causas. 2013. Online em: www.onu.org.br; Dec. 23 2013.
  4. Kim, A. e Shim, J-Y. Emerging tocolytics for maintenance therapy of preterm labour: oxytocin antagonists and calcium channel blockers. Br J ObstetGynaecol. 113 (Supl. 3): 113-115; 2006.
  5. Meloni, A. e col. Medical therapy in the management of preterm birth The Journal of Maternal-Fetal and Neonatal Medicine, 22(S3):72-76; Oct.2009.
  6. Di Renzo, G.C.; CaberoRoura, L e Grupo de Estudo de “Nascimento Prematuro” da Associação Européia de Medicina Perinatal. Guidelines for the management of spontaneous preterm labor.J Perinat Med. 34: 359-366; 2006.
  7. Lyndrup, J e Lamont, R.F. The choice of tocolytic for the treatment of preterm labor: a critical evaluation of nifedipine versus atosibana. Expert Opin. Invest. Drugs. 16 (6):843-853; 2007.[/EXPAND]